Fritos de Cebola Roxa


Um petisco de verão. Para aproveitar as maravilhosas cebolas roxas que chegaram no cabaz, e outra forma de as utilizar, dando-lhe um lugar de destaque e para variar da habitual cebola na salada, ou da cebola caramelizada (deliciosa!) para acompanhar folhados ou hamburgueres.
Desta vez a cebola roxa teve destaque de petisco (ou tapa, co o lhe preferirem chamar), e fica tão delicioso que é quase impossível parar de comer.
Por aqui fazem sempre enorme sucesso. Espero que gostem - e se esqueçam das calorias e de que os fritos fazem mal - que às vezes também é preciso tirar férias das “dietas”.

Ingredientes para 4 pessoas (como entrada ou petisco)

2 cebolas roxas 
50g de farinha
1 ovo
Água gaseificada q.b..
Sal e pimenta q.b.

Molho Tártaro:
1/2 ovo cozido picado
50g de maionese
1 colher de sobremesa de pickles picados
1 colher de café de mostarde de Dijon
Vinagre q.b.

Preparação:

Comece por preparar o molho tártaro. Misture bem todos os ingredientes, tempere com um pouco de vinagre e guarde no frigorífico até servir.
Entretanto prepare a cebola cortando-a em aros com cerca de 1cm.
 Prepare depois a polme misturando a farinha com o ovo. Tempere depois com sal e pimenta e junte depois a água gaseificada até obter uma mistura nem muito líquida nem muito espessa.
Passe os aros de cebola pela polme e frite em óleo a 180ºC (ou azeite) até ficarem dourados.
Escorra sobre papel absorvente e sirva ainda quentes com o molho tártaro.


Bom Apetite!

Pataniscas de Carne


Cá em casa, já sabe, nada se estraga e muito menos se deita fora. Umas sobras de lombinho de porco assado acabaram numas belas pataniscas e assim se limpou o frigorífico.
Confesso que as pataniscas acabam por ser uma receita de recurso que uso imenso cá em casa para limpar restinhos: de peixe, de legumes, de carne, e até de carnes frias como presuntos e enchidos. Com muito pouco consegue-se fazer uma refeição onde o mais importante é mesmo não desperdiçar nada.
Fica mais uma singela sugestão. Pode ser que vos dê jeito numa próxima vez que não saibam o que fazer aquele “nico” de comida que está na caixinha no frigorífico!

Ingredientes para cerca de 8 pataniscas:

1 ovo
4 colheres e sopa de farinha  (de trigo ou outra farinha a gosto)
1 pé de salsa
60ml da água gaseificada
1/2 chávena de restos de lombinho de porco assado
sal e pimenta q.b.
azeite q.b.

Preparação:

Pique finamente as sobras de carne de porco. Pique também a salsa.
Numa taça coloque a farinha e o ovo e misture bem até ficar com uma mistura lisa. Tempere com sal e pimenta a gosto e vá acrescentando a água gaseificada até obter uma mistura homogénea,Acrescente depois a carne picada e a salsa e envolva bem.
Leve um frigideira ao lume com um pouco de azeite, deixe aquecer bem e frite colheradas de massa até ficarem douradias. Escorra sobre papel absorvente.
Sirva as pataniscas com uma salada variada.


Bom Apetite!

Compotas de Verão


Para quem como eu gosta de fazer compotas, e ainda mais, gosta de as preparar para oferecer no natal, esta costuma ser a altura do ano ideal para isso. Há muita variedade de fruta, e as opções são mais que muitas.
Este ano, o meu amigo Nuno diz que é um ano de muita e boa  fruta (a julgar pelo meu pessegueiro, tem razão!), e portanto mais uma razão para colocar as mãos à obra e preparar umas compotas. Seja apenas para ter me casa, seja para compor os cabazes de natal (parece que ainda falta muito para o natal, mas não se deixem enganar, que vem aí num instante!), esta é a época ideal para começarem a preparar compotas com todas as combinações e variedades de fruta que conseguirem arranjar.
Para vos inspirar, deixo-vos algumas sugestões, não só das minhas preferidas, mas também daquelas que têm mais comentários positivos de quem as recebe.












Bolo de Milho do Chef Kiko


Não sei se isto também vos acontece, mas comigo é quase sempre assim. De cada vez que vejo uma receita que me interessa - seja num livro ou numa revista, ou até mesmo apenas uma sugestão que apanhei de um restaurante ou até de uma conversa entre pessoas que gostam de comer e cozinhar -  anoto num pequeno caderno. Quando estou a pensar nas ementas semanais, num jantar para amigos, ou simplesmente no bolo que quero fazer para a semana, vou procurar nas minhas notas que ideias anda por lá e ainda não foram testadas. Foi assim, entre inúmeras notas e apontamentos, que fui dar com a recomendação para mim mesma de fazer o bolo de milho do livro jantaradas do Kiko Martins. 
E assim, lá saiu o bolo de milho, que é um bolo muito simples, pouco doce até, perfeito para ser comido com um pouco de queijo e compota caseira, e ideal para aquelas mesas de partilha e petiscos que eu tanto gosto.
Deixo-vos a sugestão para este fim de semana.

Ingredientes:
(in “Jantaradas” Chef Kiko Martins, página 50)

180ml de leite
150g de açúcar
45g de manteiga
185g de farinha de milho
3 ovos
30g de farinha de trigo
1 colher de café de fermento

Preparação:

Junte o leite, a manteiga e o açúcar num tacho e leve ao lume até tudo estar dissolvido. Junte depois a farinha de milho e misture bem, e deixe cozinhar durante cerca de 3 minutos em lume médio, mexendo de vez em quando para não agarrar.
Retire do lume e deixe arrefecer um pouco. Misture depois os ovos e por último a farinha de trigo e o fermento, envolvendo bem.
Coloque depois numa forma de bolo inglês previamnete untada e leve ao forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 30 minutos.
Acompanhe com um bom queijo e um pouco de compota caseira ou marmelada ou goiabada.


Bom Apetite!

Taça de Iogurte, Fruta e Frutos Secos


De começar o dia de forma simples. O resto da banana que o António não quis comer no jantar do dia anterior. Uns quantos morangos apanhados no jardim. Mirtilos deliciosos que há em quantidade do congelador e um restinho da meloa do cabaz da Dona Rosa. Sementes, frutos secos e iogurte para complementar. Um pequeno almoço para limpar “restos”, que eu penso ser só para mim, mas que partilho com duas bocas pequeninas que, à vez, me vão pedindo para comer. Uma colher para mim, outra para o Zé Maria e outra para o António. Sempre a mesma ordem e a mesma cadência... E assim o meu pequeno almoço, passa a ser o nosso pequeno almoço, que acaba num instante e é preciso ir buscar mais qualquer coisa que eu já sei ser para dividir com estes pequenitos, qual mãe a alimentar os seus passarinhos.... 
Ingredientes para 1 taça:

1/2 banana
4 morangos
4 colheres de sopa de iogurte grego natural
1 colher de chá de sementes de abóbora
2 colheres de sopa de frutos secos a gosto
1 fatia pequena de meloa
1 mão cheia de mirtilos

Preparação:

No copo da varinha mágica coloque os morangos partidos em pedaços, a banana em rodelas e o iogurte e triture até obter uma mistura homogéna. Coloque numa taça.
Por cima disponha os mirtilos, a meloa em cubinhos pequenos, as sementes de abóbora e os frutos secos grosseiramente triturados.
Sirva de imediato, com umas folhas de hortelã ou manjericão e, se gostar acrescente um pouco de mel.


Bom Apetite!

Pão de Alfarroba com Nozes


Continuo a adorar fazer pão em casa. Ainda não acertei com a experiência com a massa mãe (e esse projeto está neste momento em stand-by, mas espero voltar a ele em Setembro), mas continuo a adaptar com a receita de pão da Titá, já aqui publicada, e que também está no livro “Família e Amigos à mesa).
Este pão de alfarroba e nozes, de sabor forte e para apreciadores de alfarroba, é uma variação a partir da receita mais simples de pão que conheço. Basta um forno doméstico e um tacho de barro, para um pão muito melhor do que o pão da maioria das padarias. Vou variando as farinhas, sem alterar muito o rácio, Farinha de trigo + centeio, ou aveia, com ou sem sementes, com trigo ssaraceno, com farinha de espelta, trigo integral... e desta vez com alfarroba e nozes, num pão maravilhoso, quase preto e só mesmo para apreciadores de alfarroba. Mas não tenham receio de experimentar - para um sabor mais suave diminuam a quantidade de farinha de alfarroba, e coloquem mais farinha de trigo a compensar a quantidade. Se experimentarem contem-me tudo!
E por aqui não há nada melhor do que o cheiro do pão acabado de fazer.

Ingredientes:

420g de farinha de trigo normal
80g de farinha de alfarroba biológica
50g de nozes partidas em pedaços
600ml de água tépida
1 colher de chá de sal fino
1/2 saqueta de levedura seca tipo fermipan (cerca de 5g)

Preparação:

Numa taça coloque as farinhas e as nozes e misture. Abra uma cova ao centro e acrescente o sal, a levedura seca e a água. Misture tudo com uma colher de pau. (Atenção que a massa fica mole e húmida, mas é mesmo assim). Tape com um pano limpo e deixe levedar pelo menos uma hora , mas aconselho a pelo menos 12 horas - de um dia para o outro. 
Ao fim desse tempo ligue o forno a 200ºC e coloque lá dentro também a aquecer um tacho de barro vidrado ou pirex com tampa.
Cuidadosamente retire então o tacho quente do forno e coloque no fundo um pouco de farinha (se tiver receio de a massa colar ao fundo, pode usar papel vegetal). Verta para dentro do tacho a massa e tape o tacho com a tampa voltando-o a colocar no forno quente. Deixe cozinhar cerca de 30/35 minutos. (O facto de cozinhar num tacho previamente aquecido e tapado, vai criar a humidade necessária para formar uma crosta, não sendo necessário borrifar o forno com água para criar essa humidade extra!)
Ao fim desse tempo retire a tampa e deixe cozinhar mais uns minutos para ganhar uma crosta mais firme.
Retire o tacho do forno, desenforme o pão e deixe arrefecer completamnete sobre uma grelha antes de cortar em fatias.


Bom Apetite!

Néctar de Pêssego e Hortelã



Uma das coisas que raramente compro são sumos. No dia a dia há sempre água na mesa e os sumos (quase sempre naturais) são para dias especiais. Tal como li há uns tempos numa entrevista - e algo que também sempre defendi - é que devemos educar pelo exemplo. Se eu não como sopa, ou legumes, ou fruta, ou peixe, ou salada, como é que quero que os meus filhos comam? Claro que isto não é uma regra, e não quer dizer que eles vão gostar e comer de tudo, mas é um principio. Cá em casa foi um bocadinho assim com os sumos e refrigerantes. Eu até consumia, e deixei de o fazer para dar o exemplo. Não me faz falta nenhuma a mim e muito menos a eles.
E vamos fazendo os sumos que eles gostam - de laranja natural, de meloa, de ananás, de morango e romã, de pêra.... e agora, com tantos pêssegos cá em casa, um nectar de pêssego. Só é preciso não fazer para muito tempo - 1 ou 2 dias e guardar numa garrafa hermética. Por aqui, opto sempre por fazer pouca quantidade de cada vez porque o mais pequeno não liga e o Zé gosta, mas  também bebe pouco.
Hoje a sugestão é então um maravilhoso néctar de pêssego.

Ingredientes para 500ml de nectar:

5 pêssegos maduros e não muito grandes
sumo de limão q.b.
1 pé de hortelã (opcional)
água q.b.

Preparação:

Descasque os pêssegos e parta-os em pedaços pequenos. Junte a hortelã e, no robot e cozinha, copo liquidificador ou com a varinha mágica triture tudo muito bem até os pêssegos estarem em polpa. Adicione umas gotas de sumo de limão e água a gosto, tendo em atenção que queremos com o nectar um sumo mais espesso (juntei cerca de 300ml de água). Volte a triturar para misturar bem.
Coloque depois numa garrafa hermética bem fechada e leve ao frigorífico até servir. Aguenta até 3 dias no frigorífico.

Nota: cá em casa não adicionamos açúcar, mas se preferirem poderão fazê-lo, juntando a quantidade que acharem bem até ficar a vosso gosto.


Bom Apetite!

Imprimir